Dia dos Mortos na Bolívia tem comida e festa no cemitério

Dia dos Mortos na Bolívia tem comida e festa no cemitério

Quando a gente fala nas comemorações do Dia dos Mortos se pensa logo no México. Mas a Bolívia tem uma cultura muito rica – e curiosa – de celebração dessa data: os cemitérios ficam lotados de famílias que se juntam para comer, beber, tocar e cantar, decoram os túmulos com cores e até pagam pessoas para chorar pelos seus parentes já falecidos.

Durante o meu mochilão pela Bolívia eu estava em Sucre no Día de Los Muertos e soube  – pelo pessoal do hostel – que rolava uma grande movimentação no cemitério. E claro, fui conferir. A festa começa ao meio-dia de primeiro de novembro que, segundo a tradição, é o momento os espíritos “são liberados” para descer ao mundo dos vivos. Nesse primeiro dia a reunião costuma ocorrer nas casas: as famílias se preparam como se fossem receber um parente que está viajando há muito tempo.

Decoração festiva e comidas típicas no cemitério

As famílias novamente no dia seguinte, dessa vez para ir ao cemitério. O costume é decorar os túmulos com flores, guirlandas de cores chamativas (que lembram um pouco a decoração usada no México) e velas coloridas. Junto ao túmulo se colocam frutas, doces, água ou outra bebida do agrado do morto (eu vi refrigerantes, umas bebidas coloridas que eu não consegui identificar e descobri que tá cheio de morto que curte um aguardente 🤣). A ideia é recepcionar o parente em visita ao mundo dos vivos com o que ele mais gostava de comer e beber “do lado de cá”.

dia dos mortos bolivia

Túmulo com flores e oferendas: água, banana e pães

dia dos mortos bolivia

As guirlandas usadas como decoração

Os familiares levam comidas, bebidas ao cemitério e todos compartilham. É típico dessa data o pan de muerto (pão de morto), que tem forma de estrelas, aves ou escadas – que simboliza a subida para o céu. Às vésperas da data as padarias produzem massivamente essas iguarias e rolam feirinhas de rua que vendem exclusivamente esses produtos (mais ou menos como ocorre com o Natal e Páscoa por aqui).

Ao contrário do que se pensa, essa comemoração não é triste nem sinistra. A cultura boliviana – fortemente influenciada pela etnia indígena aymara – não vê a morte como uma tragédia e sim como mais uma etapa do ciclo natural da vida. Em geral os bolivianos não falam que alguém “morreu” e sim que “partiu” ou “se foi”. Acredita-se também que as almas vem trazer boas colheitas e fertilidade – no início de novembro começa a temporada se plantio no altiplano boliviano (região de maior influencia indígena do país) e a crença é que recepcionar bem os parentes falecidos é essencial para uma boa colheita.

dia dos mortos bolivia

A maioria dos túmulos é vertical e famílias inteiras se reúnem em frente

Alugam-se escadas, orações e lágrimas

Uma coisa que eu achei muito curiosa foi o comércio de produtos e serviços relacionados com essa ocasião. Nas proximidades do cemitério, uma multidão de ambulantes vendem de um tudo: uma grande variedade de comidas, flores, frutas, objetos para decoração dos túmulos e bugigangas diversas. Além disso, dentro do cemitério se prestam os mais diversos serviços. Um bem comum é o aluguel de escadas, já que a maioria dos túmulos são verticais (como um predinho). É comum o pagamento de pessoas para tocar música, fazer orações ou até mesmo chorar pelos mortos. As carpideiras são mulheres que, em troca de alguns bolivianos, choram e se lamentam pelo morto – mesmo sem te-lo conhecido.

dia dos mortos bolivia

Meninos recolhendo as escadas alugadas durante o dia

 

 

 

No Comments

Post A Comment